UM MOVIMENTO EM MARCHA

A CIDADANIA NA RUA!

Assine a nossa NEWSLETTER.






Vamos criminalizar o Racismo!

Celebração do Dia Internacional Para a Eliminação da Discriminação Racial

No dia 21 de março de 1960, na África do Sul, 20 mil negros protestavam contra uma lei que limitava os lugares por onde eles podiam circular. Apesar da manifestação ser  pacifica o exército atirou contra a multidão, matando 69 pessoas e ferindo outras 186, no episódio que ficou conhecido como massacre de Shaperville.

Em memória à tragédia, a Organização das Nações Unidas instituiu o dia 21 de março como o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial.

A celebração deste dia serve para refletir sobre a o crime cometido e erradicá-lo,  reiterar o nosso compromisso de combater todas as formas de racismo, xenofobia e intolerância, e de promover um mundo onde a diversidade seja celebrada e cada indivíduo seja tratado com dignidade e respeito, nos moldes da Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948.

A  ascensão de partidos de extrema direita que, em toda Europa, e em Portugal, propagam ideologias xenófobas, racistas e discriminatórias, tornam particularmente importante a afirmação da  determinação no combate a todas as formas de discriminação.

O Grupo de Ação Conjunta (GAC) contra o Racismo e a Xenofobia, coletivo com implantação a nível nacional e com mais de 50 organizações, comemora este dia celebrando a resistência, as culturas e os legados de todas as pessoas que experienciam o racismo e a discriminação nas suas vidas.

Nesse mesmo dia terá início uma recolha de contributos escritos para uma iniciativa legislativa cidadã de criminalizar o racismo em Portugal. Racismo é crime e deve ser tratado como tal.

A Plataforma Já Marchavas, organização de defesa dos direitos humanos, que integra o GAC, junta-se às iniciativas de celebração do Dia Internacional pela Eliminação do Racismo promovendo ações de consciencialização acerca do tema.

Lutamos pelos direitos humanos de toda a gente e combatemos todas as formas de discriminação contra seres humanos.

Apelamos àqueles que defendem que a democracia só se cumpre quando todos e todas forem respeitados e tiverem direitos iguais, a juntarem-se a nós no dia 21 de março, às 18h, no Jardim Sensorial de Santo António, para que o ocorrido em 1960 seja lembrado como resistência e exemplo, e que nunca mais se repita.

Queremos humanidade!
Não ao racismo!