UM MOVIMENTO EM MARCHA

A CIDADANIA NA RUA!

Assine a nossa NEWSLETTER.






  /  Comunicados   /  “Militantes do Chega agridem homossexual em Viseu”
marcha-lgbti-viseu-2021-2

“Militantes do Chega agridem homossexual em Viseu”

Foi com esta manchete em vários jornais que começámos o dia de hoje na “melhor cidade para se viver” e na qual, a 28 de Junho, foi aprovada por unanimidade na Assembleia Municipal uma moção que declara Viseu uma “Zona de Liberdade LGBTI+”.

Que espécie de liberdade é esta? Uma liberdade em que um candidato à Câmara Municipal de Viseu pelo Chega e outras pessoas do seu partido intimidam, perseguem, e agridem alguém tendo como motivo a sua orientação sexual?

A Plataforma Já Marchavas, sendo um movimento de cidadania e coletivos unidos na defesa dos Direitos Humanos não pode deixar passar este triste acontecimento sem fazer publicamente uma nota de repúdio a qualquer tipo de violência LGBTI+ fóbica.

Repudiamos não só a violência contra a comunidade LGBTI+, mas todo o discurso e ações de ódio disseminadas por este partido.

“Ontem” foi a comunidade cigana, os migrantes, os imigrantes, os “bandidos” dos bairros sociais, as mulheres (essas que acham que devem ter os mesmos direitos que os homens em vez de estarem recatadas nas suas casas a cuidar do lar).

“Hoje” a comunidade LGBTI+… E “amanhã”? Quem será? Eu? Tu?

Não nos vamos deixar levar por populismos e tentativas de construção de regimes autoritários por parte da extrema-direita!

Como uma Plataforma Feminista, LGBTI+, Ecologista, Antifascista, Antirracista, Democrática, Inclusiva e Participativa, não nos podemos deixar enganar por um partido cuja génese é marcadamente populista, fascista, racista, machista, xenófoba e LGBTI+ fóbica!

Hoje, e todos os dias, lutamos pelos direitos da comunidade LGBTI+ e dizemos a alto e bom som: “NÃO PASSARÃO!”

Todos os dias devemos estar vigilantes, porque a revolução precisa de ser defendida por cada geração. Por isso, dia 10 de outubro de 2021, em Viseu, ocupamos as ruas para marchar pelos direitos LGBTQIA+.

A Plataforma Já Marchavas